29 novembro, 2011

Resenha: "O Atlas Esmeralda" de John Stephens

Autor: John Stephens
Tradução: Livia de Almeida
Gênero: Infantil e Juvenil
ISBN: 9788581050133
Páginas: 296
Editora: Suma das Letras
Série: O Livros do Princípio (Um nome meio tosco para uma série, não acham?  Mas vocês entenderão se lerem o livro..)

Dez anos atrás, numa noite de inverno, Kate, Michael e Emma foram tirados de suas camas às pressas, perseguidos por criaturas estranhas e levados para longe.  Nunca mais viram seus pais e passaram todo esse tempo de orfanato em orfanato, sem nenhuma explicação para o que havia acontecido.
Um atlas encantado surge agora no caminho deles, prometendo responder a todas as suas perguntas.  A jornada dos irmãos os faz entrar no livro e voltar no tempo, passando por uma terra habitada por gigantes, anões, lobos famintos, crianças prisioneiras e uma condessa que é a fonte de todo Mal.
Esta é a história de três crianças que só queriam salvar suas famílias e acabam tendo que salvar o mundo.”

Vou admitir: minha cara essa sinopse.

John Stephen
Lá estava eu, procurando que livro dar a um amigo meu de aniversário E amigo oculto, quando me deparo com esse livro; lançamento não só nas livrarias como o primeiro romance de John Stephens - um dos roteiristas de Gilmore Girls e de uma das séries mais legais, dramáticas e viciantes que já passou na TV: The OC - .

Não tive outra saída; ignorei os zilhões de livros que tenho para ler na minha meta de leitura e comecei a ler na livraria mesmo, esperando meu pai chegar para me levar pra casa com os presentes.. e um brinde a mais.

E foi uma estréia de romance e tanto, sabe?  A leitura da "O Atlas esmeralda: Os Livros do Princípio - Parte 1" é daquelas que te prendem, principalmente por ser aventura.  A história me lembra um pouco “Desventuras em Série” (uma das coleções com o pior final que já li na vida, diga-se de passagem; apesar de adorar a história e sentir muita pena dos Baudeleir), mas, graças a Deus, não é nem tão triste nem tão cheia de desgraças assim.  
Busted!!!
Porém o fato de serem três jovens, duas meninas e um menino leitor, chamados de órfãos (apesar de afirmarem o contrário) que não conseguem se manter muito tempo em nenhum local onde vivem, e acabam sendo mandados para uma estranha casa de uma cidade que ninguém nunca ouviu falar, no meio do nada é, no mínimo, suspeito.

Ao mesmo tempo, a história apresenta um pouco da magia de “Nárnia”, por exemplo.  Não tanta magia, afinal C.S Lewis era um mestre nessa arte, claro, mas de alguma forma o ambiente, a simplicidade e pureza dos principais me lembrou um pouco as famosas crônicas.
  
Antes de terminar as semelhanças e começar uma descrição dos personagens não posso deixar de comentar: Sempre tem que ter uma profecia, hein?  Que falta de originalidade!  Mas eu sei, eu sei... elas sempre deixam a história mais emocionante.

Agora vamos aos protagonistas: 

Katherine é uma mini-mãe.  Além de ser a mais velha e a que possui mais lembranças dos pais, a sua última recordação da mãe é uma promessa que  realizou a ela garantindo que cuidaria dos irmãos.  Kate tinha 4 anos quando realizou essa promessa, e não descansou dela desde então.

(Eu acho que esse foi um dos poucos furos da história: 4 anos?? Sério?? Segundo ela, os pais deixaram ela ficar acordada até mais tarde nessa noite de natal e trocaram os presentes, ao invés de esperar o papai Noel na manhã seguinte, porque era supostamente muito mais crescida que os outros.
Ademais, Kate não age como se tivesse 14, mas, sei lá, uns 18.  Entendo que ela tenha amadurecido mais rápido por causa da responsabilidade para com os irmãos, mas ‘pera lá!  Podiam terem a deixado com 16 pelo menos...)

Temos então Michael e Emma, que realmente agem condizentes com sua idade.

Michael tem 12 anos, ou seja, é (teoricamente) dois anos mais novo que a irmã mais velha e um ano mais velho que a caçula.  Apaixonado por livros, especialmente os de duendes, é meio nerdizinho e medroso, mas confiável nas horas de necessidade.  Na maior parte dos casos.

Emma é a mais nova – 11 anos - e, diferentemente dos irmãos não tem nenhuma recordação sequer dos pais.  Tornou-se assim, uma pessoa regida por suas emoções, impulsiva e encrenqueira: louca por uma confusão.  Apesar de pequena pode causar bons estragos em pessoas (ou criaturas mágicas) bem maiores que ela e, ao mesmo tempo, te um coração gigantesco e inconsequente.    

Eu não sei qual dos três eu gostei mais, porque os três têm características tão marcantes e se preocupam tanto um com outro que fica difícil de decidir.

A história dá tantas reviravoltas também, no tempo e no espaço, mudando o presente e o passado, que você acaba entrando no livro junto com Kate, Michael e Emma.   Talvez esse tenha sido o detalhe que mais chamou atenção do meu gosto fantasioso e louco, que sempre torce pra um monstro quebrar minha sala de estar e me levar nas costas para uma aventura emocionante de criaturas mágicas e reinos perdidos. 

Mas enquanto isso ainda não acontece, (He) não custa nada eu já ir lendo e me preparando, né?
(Essa última frase é dedicada ao Michael, que estudou e esperou,mesmo com o descaso dos colegas, mas fez um belo uso deles depois – ou seria antes, se considerarmos que isso foi no passado ? - .)

Aqui o site da coleção (em inglês):

E aqui dois trailers literários; mas ignorem as imagens, certo? Imaginem as suas próprias, porque eu, por exemplo, não imagino nem a Kate, nem o Dr. Pym assim.




Estou ansiosa pela continuação!!!
Bjkss Pimpa ;)

28 novembro, 2011

Resenha: "Anna e o Beijo Francês" de Stephanie Perkins

Editora: Novo Conceito
ISBN: 9788563219329
Ano: 2011 (Brasil) e 2010 (EUA)
Páginas: 288
Título Original: "Anna and The French Kiss"
Sinopse: "Anna Oliphant tem grandes planos para seu último ano em Atlanta: sair com sua melhor amiga, Bridgette, e flertar com seus colegas no Midtown Royal 14 multiplex. Então ela não fica muito feliz quando o pai a envia para um internato em Paris. No entanto, as coisas começam a melhorar quando ela conhece Étienne St. Clair, um lindo garoto -que tem namorada.Ele e Anna a se tornam amigos mais próximos e as coisas ficam infinitamente mais complicadas. Anna vai conseguir um beijo francês? Ou algumas coisas não estão destinadas a acontecer?"


"Isto é tudo o que sei sobre a França: Madeline, Amélie e Moulin Rouge.
A Torre Eiffel e o Arco do Triunfo também, embora eu não saiba qual a verdadeira função de nenhum dos dois. Napoleão, Maria Antonieta e vários reis chamados Louis. Também não estou certa do que eles fizeram, mas acho que tem alguma coisa a ver com a Revolução Francesa, que tem algo a ver com o Dia da Bastilha. O museu de arte chama-se Louvre, tem o formato de uma pirâmide, e a Mona Lisa vive lá junto com a estátua da mulher sem braços. E tem cafés e bistrôs - ou qualquer nome que eles dão a estes - em cada esquina... Não é que eu seja ingrata, quero dizer, é Paris.
A Cidade Luz! A cidade mais romântica do mundo."
Página 1
(Odeio admitir, mas se adicionar todo o conhecimento que "Os Miseráveis" traz, a lista de coisas que eu sei sobre a França é mais ou menos isso também...)

Isso que eu vou mostrar a vocês expressa muito bem o quue eu senti ao ler esse livro:
http://26.media.tumblr.com/tumblr_lv9xod8YTm1qedxfzo3_250.gifhttp://27.media.tumblr.com/tumblr_lv9xod8YTm1qedxfzo4_250.gif

Eu comecei a ler esse livro numa aula de história sem muita pretenção, só para matar aqueles minutos insuportáveis em que eu tenho de aprender sobre a Revolução Francesa (Na verdade, a escolha desse livro acabou sendo meio que um conforto psicológico... Que não deu certo pelo jeito, porque, aparentemente, garotos fofo e perfeitos franceses não respondem nenhuma pergunta do teste.). Só que nesses (Aproximadamente) 50 minutos de aula eu pulei da página 1 para a página 136 :D
O Fato é que, odeio clichês (Em resenha, em livros também, mas aqui me refiro aquelas resenha que dizem que todo livro é mágico e maravilhoso e blábláblá...), mas não tem outro jeito de descrever esse livro que não seje falando como ele é romântico e envolvente. É um daqueles livros que consegue fazer com que você sinta um arrepio na espinha de tão próximo que você se sente da história!
A autora também escreve muito bem, porque eu já estive em Paris, mas era muito pequena (Tinha uns 9 anos) então não me lembro muita coisa. Por isso essa autora me ajudou muito a reconstruir alguns lugares em que me falhavam a memória...
A Anna é uma protagonista bem suportável, eu diria até que ela tem bastante personalidade e atitude considerando que ela é uma protagonista de YA. (Falando nela, eu sou completamente a favor da liberdade de expressão, mas se você tem cabelo preto e faz uma mecha branca, é praticamente ficar de joelhos e implorar para que alguém te chame de Gambá!).
E o mais importante na leitura desse livro é não se enganar pelo nome de menina do protagonista, Étienne St. Clair, porque apesar de ser meio banana, ele é MUY MACHO! Ele é americano, meio francês, cresceu em Londres, ou seja, tem sotaque britânico, cabelo castanho bagunçado e olhos castanhos. Tá bom ou quer mais? Ah, claro, sem esqueçer de mencionar que ele é o garoto mais fofo do mundo!
As histórias secundárias desse livro são praticamente terciárias, porque não quero saber da história dos amigos deles, ou do Pai do St. Clair, ou dos amigos de Atlanta da Anna... O que você quer realmente saber é quando os protagonistas vão ficar juntos com toda a sua fofura!

"O que é isso? É paixão? Ou outra coisa? Tudo junto? E é possível que eu me sinta assim por ele sem que os sentimentos sejam recíprocos? Ele disse que gostava de mim. Ele disse. E, mesmo que estivesse bêbado, não teria dito isso se não houvesse, pelo menos, alguma verdade nisso. Certo?
Eu não sei."
Página 141

Apesar de ter uma capa linda e uma sinopse legal, não foi nada disso que me achou a atenção. O que realmente me chamou a atenção foi o fato da autora ter CABELO AZUL!!!! Isso porque, não tão secretamente, pintar meu cabelo de azul é um dos maiores sonhos da minha vida! Parte porque azul é minha cor preferida (Junto com verda, mas ter cabelo verde ia ficar parecendo que eu tenho mofo na cabeça) e porque pintar o cabelo de vermelho já se transformou muito em coisa de pseudo-rebelde!

É sério eu não sou do tipo romântica, mas cada página desse livro vale muito a pena e vai roubar um suspiro seu!

Bjuos,
Fernanda

Ps: Sou a única pessoa que imagina o pai dela como sendo a à imagem e semelhança do Nicholas Spark? Pois toda vez que falavam dele a foto do Nicholas vinha a minha cabeça!

26 novembro, 2011

EU QUEROOOO!!!

Não, dessa vez não é o CD dos Vocaloids, apesar de eu querer isso também. O que eu quero na verdade é esse livro PERFEITO que eu encontrei por acaso fuçando na internet:


Sinopse: After Maddy’s parents divorce, she’s stuck starting over at a new high school. Friendless and nicknamed Freak Girl, Manga-loving artist Maddy finds refuge in the interactive online game Fields of Fantasy. In that virtual world, she reinvents herself as Allora, a gorgeous elfin alter ego, and meets a true friend in Sir Leo. Maddy can’t hide behind Allora forever, especially as a real-life crush begins edging in on her budding virtual romance. But would anyone pick the real Maddy, gamer girl and Manga freak, over the fantasy?
This fresh, geeky/cool novel includes online chats and exciting gaming, and features Maddy’s Mangastyle artwork.




Tradução para os Dummies: Esse livro conta a história de uma garota chamada Maddy (não, não é a do Zack e Cody). Depois do divórcio dos pais, ela teve que começar uma nova escola. Como é muito tímida, Maddy tem dificuldades em fazer amigos e acaba sendo apelidada de "Freak Girl" (Garota Esquisita). Amante de Mangás (WOW!), Maddy encontra um refúgio no jogo de RPG que seu pai deu a ela de aniversário, Fields of Fantasy (ah, tinha que ser Final Fantasy...) como uma elfa linda e sexy chamada Allora, e nesse jogo acaba fazendo amizade com um tal de Sir Leo. Mas Maddy não pode se esconder atrás de seu alter-ego virtual para sempre, ainda mais quando começa a se apaixonar pelo Sir Leo (oooown... Geek Love!)
Os livros incluem chats, "gamings" (que eu suponho que seja algo como a história ou as ações do jogo, sei lá) excitantes e desenhos em versão mangá da Maddy.


Repetindo o título da postagem: EU QUEEEEROOOOOOOO T-T !!!!!!!!!!!!!!!!!!!! 


Acho que é uma boa hora pra eu aprender a comprar coisas pela internet. Ou viajar para os EUA. A minha listinha de coisas-para-comprar-que-não-tem-no-Brasil-ou-são-muito-caras-aqui está aumentando cada vez mais...


Dêem uma olhadinha no livro pelo site:
http://www.amazon.com/Gamer-Girl-Mari-Mancusi/dp/0525479953

Bjos, 
Carol T-T

25 novembro, 2011

Vocaloid Folk Songs



Quem aí gosta de músicas folclóricas levante as mãos! Os Vocaloids lançaram um CD com uma reunião de músicas alegres cantadas por vários vocaloids diferentes!Vale a pena conferir algumas  ^^ :

















Nem sei qual é minha favorita! Acho que essa  cantada pela Miku e pela UTAUloid Sorane Rana ficou muito boa. Eu gostei da voz dela =3
Se bem que a voz do Kaito é simplesmente perfeita... E essa do Gakupo com a Luka também tá com uma melodia linda... Ah, sei lá!

A lista de todas as músicas, pra quem quiser ver, é essa aqui:

1. Sennen no Dokusouka (New Arrangement) / yanagiP feat. Kaito
2. Toki Wasurebito (New Arrangement) / ShigotoshiteP feat. Kaito
3. Pane dhiria (New Arrangement) / ShinjouP feat. Kaito
4. Kami no Namae ni Ochirumono / kaoling feat. Hatsune Miku
5. Ibuki / YunimemoP feat. Kagamine Rin, Len, Hatsune Miku
6. Queen Nereid / SeikoP feat. Megurine Luka
7. Pygmalion (New Arrangment) / U-ta Kagamine Len & Megurine Luka
8. Harvest (New Arrangment) / HAL feat. Kagamine Rin
9. Hoshizora to Yuki no Butoukai (New Arragnment) / Konori feat. Megurine Luka
10. Tsuki to Mogaribue no Insomnia (New Arrangment) / ke-ji fea
11. la malgrava peto(New Arrangment) / k-waves_LAB feat. Hatsune Miku
12. Mienai Kuro ni Ochiteyuke / kaoling feat. Hatsune Miku & Sorane Rana
13. Jutenija / DATEKEN feat. Kagamine Rin & Kagamine Len
14. FLOWER TAIL / yuukiss feat. Kaito
15. Bankan Ginyuu (New Arrangement) / F.Koshiba (WandererP) feat. Kaito


Infelizmente, não acho que a gente consiga comprar um CD desses, e olha que eu já fui na Amazon.com... Alguém aí sabe quanto valem 2.200 ienes??


Haha, zoeira... OU NÃO T-T

Bjos, people!
Carol

24 novembro, 2011

Terrível Encando , de Melissa Marr

Título original: Wicked Lovely
Autora: Melissa Marr (www.melissa-marr.com)
Editora: Rocco
Número de páginas: 357
Sinopse: A série Wicked Lovely conta a história de um mundo onde as vidas de fadas e humanos se misturam. Aislinn é uma adolescente que pode ver fadas ao seu redor, mas que foi ensinada durante toda sua vida a fingir que não as vê. Ela está lutando para lidar com as fadas quando Keenan, fada Rei do Verão, entra em sua vida e tira sua mortalidade, pedindo-lhe para se tornar a Rainha do Verão e derrotar sua mãe, a Rainha do Inverno. Se ela recusar, O inverno irá tomar conta do mundo e matará todas as fadas e mortais.






A capa do livro, sombria, mas bonita, me chamou a atenção. Estou numa fase meio mística, querendo ler mais sobre livros a respeito de fadas e bruxinhas e guerreiros e aventuras épicas, e esse livro foi tudo o que eu estava precisando!
Primeiro, eu preciso dizer que tenho uma tara por mitologias! Adoro Percy Jacson, com mitologia grega, A Pirâmide Vemelha, com mitologia egípcia, o mangá Inu-Yasha, com mitologia japonesa, e A-DO-REI Terrível Encanto, com mitologia celta.


O livro aborda basicamente os seres mágicos da cultura da Escócia e da Irlanda, falando de fadas, elfos, bruxas, e cortes mágicas, mas de um jeito mais moderno. Estilo Ricky Riordan, sabe? Amo!


Então, tem essa garota, Aislinn, que, assim como a avó e a mãe que morreu ao dar à luz, consegue ver todas as criaturas mágicas que andam por aí e os seres humanos normais não enxergam. As pessoas como ela com o dom da Visão geralmente correm riscos, pois os seres mágicos não gostam de serem vistos. Por isso, as regras que sua avó lhe ensinou para ter uma vida segura são:
- Não encarar os seres encantados invisíveis;
- Não falar com os seres encantados invisíveis;
- Nunca despertar a atenção deles.


Mas essas regras não adiantam mais quando Aislinn começa a ser seguida sempre pelas mesmas criaturas mágicas: uma garota toda branca e pálida que parece morta e um garoto incrivelmente lindo. Aislinn pode não saber no início, mas esse garoto é Keenan, o Rei  da Corte do Verão e, sem que se dê conta, ela se vê envolvida num jogo que não têm mais volta: 
Desde a morte do antigo Rei do Verão, Keenan perdeu parcialmente seus poderes enquanto a Rainha de Inverno fica cada vez mais forte, congelando a Terra aos poucos até que um dia todos os seres vivos e mágicos morrerão. Ele precisa então encontrar sua Rainha, conquistando garotas e fazendo-as se arriscar por ele ao segurar o Bastão de inverno. Se elas não forem escolhidas por esse bastão, elas congelam e se tornam Garotas de Inverno até que a próxima garota se arrisque. Se elas decidirem não segurarem o bastão, se tornam uma das devassas Garotas do Verão (alguém aí também se lembrou do Felipe Dylon agora? Sério, Musa do Verão não saía da minha cabeça sempre que eu lia essas três palavras xD).


Mas enfim, Aislinn não quer nada disso: nem virar Garota do Inverno e sofrer como Donia (a garota pálida de lábios azuis), nem se tornar uma Garota do Verão (É, a Musa do Verão, calor no coração...), e muito menos ficar com Keenan durante toda a eternidade como sua Rainha, porque na verdade ela já gosta do Bad Boy sexy e fofo que é seu melhor amigo, o Seth.


Pequena pausa para falar do Seth: EU AMO ELE!!!! Ok, eu tamém amo o Keenan, mas o Seth é mais real, mais provável de existir por aí no mundo um garoto como ele, e então me dá mais esperanças :D. Ele tem milhares de piercings espalados pelo corpo, possui o cabelo preto e a franja comprida e sonha em fazer faculdade de arte ou filosofia. Seus pais o deixaram quando ele era pequeno, mas ele não é nenhum perdido no mundo, só é um cara alternativo que vive num vagão de trem! Ele até era bem safadinho, mas depois... Tudo o que eu tenho a dizer é que eu quero um "amigo" como ele :P


Bom, vamos também falar do outro protagonista: Keenan. Rei do Verão. Literalmente, tem o fogo dentro dele (ouviu, Lu?). Intenso. Passional. Lindo de morrer. Frase que melhor o define: I'M SEXY AND I KNOW IT. Porque ele realmente tem noção da reação que causa nas meninas. Eu realmente tenho muita pena dele, porque sua mãe, a Rainha do Inverno, é uma idiota dos infernos  vadia psicopata muito má. Perversa. Medonha. E ele carrega uma maldição horrível, tadinho. Amo você também, Keenan!


Vamos falar também da Aislinn: começa meio tímida e insegura, tanto em relação à Seth quanto às criaturas mágicas, mas com o passar do livro essa garota ganha o meu respeito! Ela é o símbolo da mulher guerreira do século XXI, que não dispensa um bom romance, mas é determinada, guerreira e independente! Não leiam esse livro esperando por uma garotinha retardada e acéfala como protagonista!


Donia: pode parecer não ser muito importante no início, mas... Vocês verão... Eu também me solidarizo muito com ela. Sério, ela é a mais infeliz da história! 




Mas então é isso, gente! Os personagens principais são muito fofos e você se envolve muito com a história! A trama é envolvente e mágica, gráças às criaturas mitológicas, e o melhor de tudo: o final é perfeito!!! Ok, não ainda, esse livro é apenas o primeiro de uma séria em que eu ainda vou me viciar, com certeza, mas pelo menos todos acabam felizes! Acho que a última frase de Ainslinn no livro diz tudo:


Não é perfeito, mas será.

Keenan, Aislinn, Seth, Donia, TORÇO POR VOCÊS!! E espero a continuação ansiosamente!

Bjos, people!
Carol :)



23 novembro, 2011

As Dubladoras das Princesas Disney O.O

Já que estamos falando tanto sobre dublagem, que tal uma dublagem de desenhos pouco conhecidos nossos em inglês? Sabe aqueles que você não obrigou seus pais a verem 5 mil vezes seguidas?  (Especialmente as garotas.)
Adivinhe (ou leia o título):  Os das princesas Disney.

Nunca ficou curiosa para descobrir quem elas são/eram de verdade?

Bem, eu não.  Quer dizer, eu não conseguia imaginá-las fora do desenho, mesmo só a voz.  Mas lá estava eu, ouvindo músicas de uma ótima cantora (Lea Salonga) e que expressava tanta emoção na voz que me dava arrepios da peça "Os Miseráveis" e que me parecia tão familiar.  No caso "On my own", porque uma amiga postou pra mim no facebook e ela é muito boa!


E olha o que eu descubro:
Lea Salonga é a voz de canto da Mulan & da Jasmine!!!!  Cara, você é duplamente INCRÍVEL (eu admito que eu queria usar um palavrão agora no lugar de incrível, pra dar mais ênfase. mas... eu vou resistir...) E a Mulan é a minha princesa (ou não princesa, não ligo) preferida de todos os tempos!!! (junto com a Bella e a Pocahontas!)
Mula- quer dizer, Lea salonga, investiu na Boradway, realizando diversos musicais, como "Os Miseráveis", "Cats" e "Cinderella" por exemplo.
(pensa só, ela já foi 3 princesas!!)



                   Lea Salonga cantando lindamente Mulan (diva)!!!!


Lea Salonga cantando lindamente - e bizarramente idêntica a versão do filme - a Jasmine. E, cara, o Aladin também é muito booooom!  Eu nunca tinha me tocado que a voz de canto das duas princesas era a mesma....  Sinceramente, acho que ninguém tinha se tocado...

Mas, só pra deixar vocês babando um pouco; sente só a audição dessa garota pro primeiro musical dela, "Sun and Moon".

(pule para 1:28)
Criança superdotadaemuitofofa

Okay.  Isso já foi o máximo.  Mas aí, eu achei o vídeo das outras princesas Disney cantando; ao vivooooooooo!

Essa não tem como não reconhecer!  A dubladora faz a voz de canto e de fala e na primeira palavra você já identifica.

Jodi Benson

Ooooooooown, gente! Não é lindo *-*
E olha (lê): Jodi fez a Barbie, de Toy story 2 e 3; e a Jenna de Balto 1 e 2.




Essa vê se vocês descobrem!  Olha, ta um pouco diferente (meio desafinada e rouca) mas eu entendo.. o tempo altera a voz e, considerando que esse filme foi dublado um pouco antes de 1991, ela tem 55 anos e o concerto foi desse ano, ela ta ótima.  Mais do que eu conseguiria cantar numa vida.

Paige O'Hara 

Paige não teve muitos papéis conhecidos além da Bela, ou uma grande carreira depois disso.  nada que eu conheça, pelo menos, ou das listinhas da Wikipedia. Participou, de qualquer forma, de alguns musicais da Broadway e.. bem.. acho que só isso já eleva a pessoa a um outro patamar....

Por fim, uma princesa nova:

Anika Noni Rose

Eu não sou muito da versão em português dessa música -  e costumo gostar das versões brasileiras da Disney, tanto quanto ou até mais do que as americanas -, mas eu adorei a americana!  não é por nada não, mas eu gostei dessa Anika! (Além do fato do nome dela ser super show!)
(Temos que bater um papo sério com esse povo brasileiro dublador da Disney.  Eu costumo amar o trabalho deles; mas vem cá: O que foram as músicas da "Princesa e o sapo"/??  E qual foi do príncipe Eugine se chamar na verdade José Bezerra e ser o Luciano Hulk???????? Isso é muito mindfuck... )

Sua carreira começou em 1998 nos palcos (Valley Song) e em 1999 nas telas (King of the bingo game); não que eu saiba sobre qualquer uma dessas duas histórias...

E agora todas juntas XD


Então galerinha feliz, é isso!  As outras princesas, ou não tem elas cantando ao vivo em vídeo (Judy Kuhn = Pocahontas), ou eu simplesmente não ligo pra elas (Aurora).  Mentira.  Eu ligo um pouco.
Mas elas ficam pra outra postagem, porque agora eu quero ir dormir!
Bjsss e boa noiteee
Bjkss, Pimpa ;)

Ah, a versatilidade da dublagem !


Gente.. dublagem é um negócio incrível, sério. Ontem eu tava passeando pelo site MyAnimeList.net e descobri que não é só aqui no Brasil que os dubladores fazem personagens COMPLETAMENTE OPOSTOS ! Tipo quando eu estava vendo Discovery Kids com a minha irmã e percebi que a voz de um elefantezinho fofinho era a mesma voz do Sesshoumaru, de Inuyasha. É.
No Japão também é assim !
Eu devo estar ficando cada vez mais otaka, porque agora eu consigo identificar os dubladores japoneses ! LIKE A BOSS ! -n

Bom, deixa eu mostrar minhas recentes descobertas um tanto quanto chocantes :

1. Satoshi Hino

ele faz o lindo sério fofo compenetrado e perfeito quieto Riken, de Otome Youkai Zakuro. Espera-se que ele faça personagens sérios assim também, certo ? Nãaaaao... Essa também é a mesma voz do...

SAITO !! O cara sério e lindo faz o próprio : O hentai,o problemático, o BAKA INU !!


2. Yui Horie
Own, a Tohru ! A fofa,desligada e inocente Tohru, de Fruits Basket ! Que também é a mesma voz da....

GRRRRRRR !!! SIESTA, de Zero no Tsukaima ! A empregadinha que parece ser inocente, mas depois mostra sua verdadeira alma vadia ! AAAARRRGH !

3. Mamoru Miyano
ÊEEE ! o Tamaki ! Hilário, e muito fofo ! O melhor personagem de Ouran !
Mas ele não é tão fofo quando faz seu papel de...

RAITO !! Oh, céus !! Imaginem, o Tamaki não consegue fazer mal a uma mosca, quem dirá ter seu caderno que mata as pessoas ! LOL !

4. Minami Takayama
Nabiki, de Ranma ! Definitivamente, não exista alguém mais Material Girl nesse mundo !
Se preparem pra essa outra voz que ela faz... principalmente você, Carol..

SIIIIMMMMM !!! A DUBLADORA DA MATERIAL GIRL NABIKI TENDO É A MESMA PESSOINHA QUE DUBLA UM DOS PERSONAGENS MAIS SEXYS DE TODA A HISTORIA DOS ANIMES !!!! *caps lock off* Train, de Black Cat !!!!!


5. Jun Fukuyama

Lulu ! Pros menos íntimos, Lelouch de Code Geass, he. Meu psicopata lindo S2
Olha, tenho que admitir, o perfil de sanidade do personagem não mudou muito não... mas digamos que... a opção sexual e o jeito "Bitch, I'm Fabulous" sim...

GYAAAH ! Grell, por mais que eu te ame demais, ainda é um choque de realidade descobrir que uma voz sexy que nem a do Lulu virou uma voz porralouca que nem você...



6. Aya Hisakawa


Ok, não é novidade pra ninguem que o Yuki de Fruits Basket é dublado por uma mulher.. mas tinha que ser também logo a voz da...

Awn, Yuki, que meigo, você é a Sailor Mercúrio.

8. (Não me matem, eu juro que esse é o último !) Daisuke Ono

Esse aqui eu gostaria que tivesse um destaque especial. Não, ele não fez nenhuma troca de personagens altamente bizarra e mindfuck.. mas graças a ele, as pessoinhas a seguir tem a voz mais perfeita do mundo, o que aumenta 1oox sua sexyness :



Cara... Então é isso. Ono-san, obrigada por existir \o/


Ufa ! Espero que tenham tido paciência de ter lido tudo e se espantado tanto quanto eu ! Hehe !

XOXO :*

20 novembro, 2011

Resenha: "Não sou este tipo de garota" de Siobhan Vivian

Editora: Novo Conceito Jovem
ISBN: 9788563219381
Título Original: Not That Kind of Girl
Ano: 2011 (Brasil) e 2010 (EUA)
Páginas: 248
Sinopse: "Perversa ou inofensiva? Confiável ou hipócrita? Controlada ou insensata? A vida é sobre suas decisões e escolhas, e Natalie Sterling se orgulha de sempre fazer as melhores. Ela ignora os caras populares e babacas da escola, sempre ganha medalhas de honra e está prestes a ser a primeira estudante jovem a ser presidente do conselho estudantil em anos. Se apenas todas as outras garotas fossem tão sensíveis e fortes. Como o grupo de novatas que querem ser brinquedos dos jogadores de futebol. Ou sua melhor amiga, que tomou uma decisão idiota que quase arruinou sua vida. Mas ser sensível e forte não é fácil. Não quando uma brincadeira quase a faz ser expulsa. Não quando seus conselhos dóem mais do que ajudam. Não quando um cara que ela já deu um fora se torna o cara que ela não consegue parar de pensar. A linha entre o certo e o errado foi distorcida, e cruzá-la poderá resultar em um desastre… ou se tornar a melhor escolha que ela já imaginou fazer."

Esse foi o primeiro livro que eu li daquela pilha de livros que eu comprei na bienal. Então, saibam que já faz um tempinho que eu li ele então não me lembro mutio bem dos detalhes, só sei o que eu anotei(Sim, eu faço anotações pa ento vcs podem perceber ja faz um tempinho q eu li e por isso nao lembto de todas as impresspoes q tive, mas consigo fazer essas resenha baseada nas anotções q ue eu fiz quando li.
Vamos começar:
No começo eu gostava muito da Natalie porque ela tinha muitas coisas em comum com uma grande amiga minha, sabe as duas são desse tipo certinhas, as mais espertas da sala e etc. Mas conforme eu ia lendo o livro eu retirei isso, elas não tem nada haver! Isso porque a Natalie é a pessoa mais hipocrita, mimanda e egoísta da vida! Principalmente, hipocrita! Ele fica julgando todo mundo, tratando todo mundo com se ela fosse uma deusa toda-poderosa e o resto fosse uma cabada de mortais, mas ela faz tudo que eles fazem!
E eu nem quero comentar com ela foi vaca de transformar a relação de AMIZADE entre ela e a Autumn numa relação de dependência em que ela fazia com que a melhor amiga se sentisse um lixo por causa de um pequeno deslize no passado e que só a Natalie era "boazinha" para aceitar ela depois.
Bem, o boy dela é... Um cara normal. Nada contra ele, mas quando pego um livro YA para ler espero um cara completamente fofo e idealizado. Então, apesar de ele ser um pouco melhor do que um cara normal, não me instigou nem um pouco... Desculpa, cara-que-eu-não-lembro-o-nome-e-tô-com-preguiça-de-ir-até-a-estante-ou-procurar-e-algum-lugar-da-net-descobrir-como-você-se-chama, mas você não é essa coca-cola toda...
Mas se vocês querem saber o que realmente faz esse livro valer a pena? A Spencer! Putz, não me lembro da ultima vez q uma personagem de um livro adolescente me fez refletir tanto! Ela é aquela típica garota que você olha pra ela e vê um enorme anúnico em sua testa escrito: 'Puta'. No começo eu julga ela como acho que todos que começam a ler esse livro julgam, mas com  o tempo você vai entendendo as razões dela e acaba pensando: 'Nossa, eu nunca pensei nisso dessa maneira...'. Ela me fez enchergar preconceitos que eu tinha dentro de mim e me fez questionar por que eu os tinha. Mas, é claro, a genialidade dela vao depender de como o leitor encarar sua leitura, se vai parar para refletir ou vai ler sem prestar atenção para passar o tempo.
O fim é meio... Como dizer? Acho que meio bobo, sabe, pessoas fazem um alvoroço por causa de muito pouco (Muito barulho por nada como já dizia o mestre Shakespear...). E um capítulo depois, tudo está bem! Achei que ficou mal esplorado tudo se resolveu fácil e rápido demais.
A autora escreve bem, não é nada espetacular, mas está num nível muito acima de muitas escritoras de YA por aí. Acho que gosto da sua narrativa porque ela valoriza muito a descrição dos ambientes, ao invés de simplesmente dizer: 'Eles estão num quarto de parde verdes.' como ocorre em muitos livros. E tiro o chapéu para a tradução da Novo Conceito está lutando para conseguir adaptar os livros nessa sua nova ramificação Teen e finalmente conseguiu acertar a mão!
Resumindo, não é uma leitura que você vai lembrar pelo resto da vida (Apesar de que eu vou lembrar das reflexões que a Spencer me fez ter por um bom tempo...). É daquele tipo de livro que você pega pra ler no intervalo de tempo entre um livro muito legal e aquele livro insuportável que você tem de ler pra escola.
Bjuos,

14 novembro, 2011

Resenha: “A menina que roubava livros” de Markus Zusak


Título: A menina que roubava livros (eu sei.. isso é meio óbvio.. mas vai que alguém é desatento que nem eu e não lê o título do post?)
Autor: Markus Zusak (igualmente)
I.S.B.N.: 978-85-98078-17-5
Título Original: The Book Thief
Editora: Intrínseca
Publicação: 2007
Nº de Páginas: 500
Nº de Capítulos: 80

Sinopse: Na contracapa não há sinopse; apenas uma frase:  “ Quando a morte conta uma história, você deve parar para ler.”  Acho que só isso já indica a genialidade  da coisa. 

Há algum tempo já ouvia falar desse livro, e bem, por sinal, mas nunca tinha me dado muito ao trabalho de propriamente lê-lo.  Foi só quando a mãe de uma amiga minha me emprestou o livro por livre e espontânea vontade pois acho que me interessaria que resolvi lhe dar uma chance.

Cara, muuuuito bom.  Mesmo. E direi o porque; mas, primeiro, vamos a história.  

O livro de Markus Zusak relata a história de Liesel Meminger; uma menina de 10 anos que acabou de perder o irmão na viagem de trem na qual seriam levados os dois pela própria mãe para uma nova vida com pais adotivos.  Por quê? Bem, a história se passa durante o início da Segunda Guerra Mundial, uma época conturbada na qual tanto os comunistas (como o caso dos pais verdadeiros de Liesel), quanto judeus, não tinham direito a uma vida muito pacata na Alemanha nazista. 

No entanto, não contava a mãe (preocupada com a segurança de seus filhos), que seu caçula, Werner (faz todo sentido, considerando como esse nome lembra “Os sofrimentos do jovem Werther”!) por algum acaso da vida, tivesse um problema de coração no meio do trem.

Foi assim que Liesel teve seu primeiro encontro com a morte.

No enterro, próximo a uma das estações – esta sim no meio do caminho, próxima a lugar nenhum - o coveiro iniciante, ao enterrar o irmão de Liesel, deixa cair um livro na neve fofa  - O manual do coveiro - , que é habilmente furtado por Liesel; a única conexão que lhe sobrou com o irmão e a mãe.

Na estação da fictícia cidade de Molching (ou então muito difícil de achar no Google...) é recebida por Rosa e Hans Hubberman, o casal que a adotará.  Muda-se, então, para sua nova residência: A Rua Himmel (Himmel=céu – trocadilho divertido) da rua 33.

Lá, diante desse novo cotidiano, passa a conviver com 3 importantes e diferentes figuras da cidadezinha.

1.Rosa Hubberman – Mãe adotiva de Liesel, é grossa e rude, chula e briguenta, chamando-a sempre de “Saumensch” (um palavrão que ofende a mulheres).  Mas, ao mesmo tempo, é uma das minhas personagens favoritas da história.  Isso, pois por trás de toda essa casca dura, Rosa ama Liesel, demais.  E Liesel aprenderá isso. 

2. Hans Hubberman – Também chamado de “Saukerl” (masculino de “Saumensch”) por Rosa, é um pintor pobre e decadente, mas de boníssimo coração. Ele é um pai muuuuuuuito fofo e passa todas as noites ao lado dela enquanto ela sofre com os pesadelos do seu irmão.  Carinhoso e atencioso, ganhará o coração de Liesel desde o primeiro minuto e a fará entender o que é ter um pai.

3. Rudy Steiner – Gente, eu adoro esse garoto!  Ele e Liesel se conhecem jogando futebol na rua e, quando Liesel segura a bola (no gol)de Rudy, este joga uma bola de neve no seu rosto, de pirraça.  Conclusão: viram melhores amigos.  Implicante, irritante, fofo e divertido se encontra com ela (ou sem ela) nas maiores trapalhadas. Frase típica: “Que tal um beijo, Saumensch?”

Há ainda 3 outros personagens muito importantes na história. 

                            Detalhe:  Um deles: a narradora.  Quer uma dica?
“Eu poderia me apresentar apropriadamente,mas,na verdade,isso não é necessário.Você me conhecerá o suficiente e bem depressa,dependendo de uma gama diversificada de variáveis.
Basta dizer que,em algum ponto do tempo,eu me erguerei sobre você,com toda a cordialidade possível.Sua alma estará em meus braços...’”

1. A MORTE -  Sádica, irônica, divertida e engraçada, a Morte narrará a história e os 3 encontros que teve com Liesel Meminger – a menina que roubava livros -  entre 1939 a 1943, dos quais saiu Liesel ilesa.; uma história que conseguiu impressionar até mesmo a própria Morte!  Acrescentando pequenos fatos e detalhes, reflexões e comentários ao longo da história, a Morte é, em todos os sentidos, cômica e genial, mesmo ao tratar de assuntos sérios e pesados como..bem, ela mesma.

Segue assim a vida de Liesel, passando por uma época de felicidade, mesmo com aparentes perturbações. Cria um cotidiano, realizando tarefas como levar a roupa lavada com Rosa e, conhece assim, Ilsa.

2. Ilsa Hermann – A mulher do prefeito, tímida, calada, amargurada, quieta e triste pela morte de seu filho.  Possui uma biblioteca gigante e fará diferença na vida de Liesel, mas não posso dizer muito mais do que isso.

No entanto a paz é passageira.  Em breve chegará outra pessoa para morar na rua 33 da rua Himmel - herança das épocas de soldado da 1ª guerra de Hans Hubberman – e essa pessoa vai abalar legal a vida dos 3.

3. Max Vanderburg  - Judeu.

O Best-seller internacional (olha o prestígio!) conseguiu me fazer rir, chorar e me compadecer dos personagens.  Além disso, me levou a refletir sobre coisas bem sérias que não tendemos a pensar muito no dia-a-dia; questões essas levantadas pela morte.

Ao mesmo tempo de ser envolvente e esperta, a história também passa muito bem a realidade da Alemanha nazista da época e de uma perspectiva, assim como tudo na história em si, original: do ponto de vista de alemães contra o nazismo.

Sobre o autor:
Markus Zusak
Markus Zusak o lindo o autor de “A menina que roubava livros” é um australiano filho de um austríaco com uma alemã, que vivia contando a seu filho histórias sobre a Alemanhã nazista, o bombardeio de Munique e a marcha de judeus.  Não preciso dizer de onde ele tirou a ideia para a história, não é?

Enfim, é um ótimo livro, super bem escrito e bem esperto.  Ah! E eu gostei da história desde o início, mas conheço gente que leu e só se prendeu na história no meio; então, se algum de vocês - leitores desse post por puro tédio de uma segunda-feira (por ser segunda-feira) - resolverem realmente ler o livro e acharem seu início cansativo (mesmo que eu discorde),  insista não desista, ok? Chegue pelo menos ao final. He.

Então é isso, gente. E aqui vai um filme publicitário do livro (Chique, né?)



Bjkssss, Pimpa ;)

Bankotsu e Jakotsu

Hoje eu resolvi desabafar um negócio que me deixa um tanto quanto muito puta irritada.
Todas vocês já devem ter ouvido falar do meu personagem preferido de todos os tempos? Pra quem não sabe,  é o Bankotsu, do anime Inu-Yasha. É o grande inimigo do Inu na quinta temporada, pra ser mais exata aparece 
no episódio 110 (sim, ele é malvado. Foi aí que começou minha tara por bad boys *-*)


Saca só a sexyness dele:


momento feliz


momento mal


outro momento feliz


momento risada sexy


momento "vou te matar em poucos segundos sem nenhum esforço"


 E acho que isso resume bem a filosofia de vida dele:

"Enquanto eu estiver vivo, vou fazer o que quiser"






Enfim, falando mais sobre ele, ele pertence a um exército de mercenários chamado Exército dos Sete. Entre um cara irritante que muda de personalidade o tempo todo, um cara gigantesco que de tão inútil morre no primeiro episódio em que aparece, um cara feito metade de metal que só sabe falar "tchê" e "itchi" (sério), um cara tampinha com cara de sapo e um careca metido a líder (como se ele pudesse roubar esse papel do Ban-Ban), está outro personagem que eu adoro: Jakotsu, o meu gayzinho preferido!



"Bem me quer, mal me quer...."

"Inu-Yasha!"


Quando Bankotsu manda ele lutar contra a Sango:
"Eu queria o Inu-Yasha..."




Como podem ver, Jakotsu tem um queda por Inu-Yasha no primeiro momento que o vê, mas algumas pessoas cismam em fazer ele e Bankotsu como um casal. COMO SE O BANKOTSU FOSSE GAY!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!


Tudo bem, eu até entendo a lógica das yaoi fangirls de juntar o gayzinho do grupo com o mais gato do grupo (que graça teria se a Jakotsu ficasse com o careca ou com o cara de sapo?), mas isso ainda me irrita MUITO! Porque eu gosto do Jakotsu, mas odeio quando colocam os dois juntos! Tipo, ele se tratam como irmãos no anime, o Jakotsu inclusive chama o Ban-Ban de "Big Bro". Eles juntos são muito engraçados, parecem mesmo dois irmãos juntos, o irmão burro e o irmão esperto e sexy ^^ .





E, bom, o que eu queria chegar com essa postagen são duas tirinhas que achei no DeviantArt, que mostram como é a relação entre os dois, divertida, mas HÉTERA!!!!!!




Viu? É uma relação divertida, tipo, o Jakotsu com suas tiradas engraçadas (eu já falei que amo esse gayzinho? Apesar dele me dar medo, é claro, porque ele é tão ou mais mal que o Bankotsu) e o Ban-Ban... bem, sendo o Ban-Ban ♥ ! Mal, sexy, lindo, mas também tendo os seus momentos divertidos quando está com o Jakotsu (que é o único que não quer matá-lo para ser o novo líder do Exército). 

Eu só acho que ele devia ter encontrado uma garota que o fizesse aprender a amar (adoro os tipos Troubled but Cute ^^), se bem que pra isso existem milhõõõõões de fanfics... HE. 




Bjuos,


Carol

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...